Archive

Archive for novembro \11\UTC 2015

Criado um trit, que guarda 0, 1 ou 2

11 de novembro de 2015 Deixe um comentário

Uma equipe do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, construiu um memristor – ou mais comumente conhecido como “neurônio artificial” – que aponta para uma lógica pós-binária.

O componente, fabricado a partir de uma fatia de perovskita de apenas 5 nanômetros de espessura, possui três estados resistivos estáveis.

Como resultado, ele pode armazenar não apenas os valores 0 ou 1 comumente guardados por um bit, mas também pode ser utilizado para guardar informações codificadas por três estados – 0, 1 ou 2, ou seja, um “trit”.

Nosso componente poderia, portanto, ser útil para um novo tipo de tecnologia da informação que não seja baseada em lógica binária, mas em uma lógica que ofereça informações localizadas ‘entre’ o 0 e o 1,”

explica a professora Jennifer Rupp, coordenadora da equipe.

Isto tem implicações interessantes para a chamada lógica fuzzy [lógica nebulosa, ou difusa], que busca incorporar uma forma de incerteza no tratamento da informação digital. Podemos descrevê-la como uma computação menos rígida,

” acrescentou.

Outra aplicação potencial do trit é na computação neuromórfica, que busca componentes eletrônicos para reproduzir a maneira pela qual os neurônios processam informações, e na qual os memristores, os transistores iônicos e ostransistores sinápticos são as principais ferramentas.

O quarto componente

O princípio de funcionamento do memristor foi descrito pela primeira vez em 1971, como o quarto componente básico dos circuitos eletrônicos (ao lado de resistores, capacitores e indutores).

A partir dos anos 2000, pesquisadores vêm sugerindo que certos tipos de memória resistiva poderiam atuar como memristores, mas somente em 2008 a existência do quarto componente eletrônico fundamental foi comprovada.

“As propriedades de um memristor em um determinado momento no tempo dependerá do que já aconteceu antes,” explica Rupp referindo-se ao efeito de memória que faz com que o memristor se assemelhe aos neurônios. “Isto imita o comportamento dos neurônios, que somente transmitem informação quando um limiar específico de ativação foi atingido.”

Principalmente a Intel e a HP têm investindo pesadamente no desenvolvimento de memristores para substituir as memórias flash usadas em cartões de memória USB, cartões SD e discos rígidos SSD – a expectativa é que a nova tecnologia de memória da Intel chegue ao mercado até o final deste ano. Mas o protótipo do trit desenvolvido pela equipe suíça ainda está em fase inicial de desenvolvimento.

Fonte : Inovação Tecnologica