Arquivo

Archive for the ‘Tecnologia & Saúde’ Category

Recuperando movimentos com Neuropróteses

29 de março de 2013 Deixe um comentário

As doenças neurodegenerativas podem causar transtornos muito complicados ao longo dos anos, como a paralisia.

Lorenzo Rossi, doente com esclerose amiotrófica lateral, paciente do projeto Mundus, o novo programa europeu de desenvolvimento de neuropróteses, em Itália, explica de que padece: “Lentamente, nestes últimos cinco ou seis anos, perdi a capacidade de usar o braço esquerdo, e agora está a espalhar-se para o resto do corpo. Ainda posso mexer os músculos, mas estou a ficar cada vez mais fraco.”

Andrea Niutta sofre de esclerose múltipla e está numa cadeira de rodas há quase duas décadas. Encontra-se no Hospital Valduce, na Costa Masnagam perto de Mião, onde faz terapia reeducativa. Niutta ofereceu-se como voluntário para o Mundus: “Estava absolutamente convencido de que não ia ter muitos problemas com o braço direito, mas aconteceu exatamente o contrário. Através destes estímulos, o projeto Mundus conseguiu mostrar-me como optimizar o uso do braço direito fazendo uma série de movimentos pequenos.”

O programa pretende devolver algum controle, autonomia e dignidade ao dia a dia de pessoas com os membros superiores paralisados, como Andrea ou Lorenzo. E o mais importante é adaptar a tecnologia ao paciente, e não o contrário.

Franco Molteni, neurologista, responsável do centro de reabilitação neurológica do Hospital Valduce Villa Beretta, explica o que fazem: “Mundus foi uma experiência importante porque pudémos analizar com detalhe os problemas dos doentes que são definidos como doentes de nicho, porque não são vários milhões. No entanto, as soluções para os seus problemas beneficiam milhões de pessoas.”

As neuropróteses são sistemas modulares compostos por exoesqueletos passivos que libertam o braço do seu próprio peso através de uma estimulação eléctrica dada aos pacientes que não têm atividade muscular, nem residual. Outros sistemas paralelos registram as intenções do paciente, a atividade muscular, e uma câmara registra os movimentos dos olhos, que podem controlar os movimentos musculares fixando-se em imagens no ecrã.

Alessandra Pedrocchi, bioengenheira, gestora do projeto Mundus: “O registro do sinal electromiográfico faz-se através de elétrodos e de um sistema de filtragem que permite verificar, em tempo real, o nível de estimulação dada aos músculos dos braços, que pretendemos que seja o mais natural possível, de acordo com a vontade do paciente”.

Para os que nem a cabeça conseguem mexer, existe um sistema que interage com o cérebro. Lorenzo, por exemplo, ainda tem funcional o braço direito, e não quer pensar na possibilidade de perder a mobilidade, ou seja, perder autonomia.

Lorenzo Rossi: “Este protótipo for criado para o braço esquerdo. Serei voluntário para refazer todos os testes e experiências no dia em que quiserem criar um para o braço direito. Talvez aí possamos ver as diferenças entre um braço paralisado e um braço ainda funcional. Será uma boa forma de ajudar os engenheiros e médicos que se dedicam a este projeto”.

Beber, pentear o cabelo, ascender uma lâmpada – são pequenos gestos porém muito importantes que podem estar ao dispor do paciente, em breve, através das neuropróteses.

É a ciência e a tecnologia caminhando juntas para propocionar uma vida melhor para pessoas que tem mais dificudades devido as suas limitações fisicas.

Fonte: Euronews

Anúncios

Posologia: Use o Celular, ministrar doses diárias conforme indicação do seu bolso!!!

6 de janeiro de 2010 Deixe um comentário

Ficar com a orelha colada ao celular poderá proteger o usuário contra o mal de Alzheimer fazendo-a regressar, segundo pesquisas realizadas com ratos e publicada nos Estados Unidos.

Usar Celular agora faz bem!!! - Aprecie com moderação

Os pesquisadores expuseram cerca de cem ratos à ondas eletromagnéticas emitidas por telefones celulares durante uma a duas horas, diariamente durante 7 a 8 meses.

Uma grande parte dos roedores foram geneticamente modificados para desenvolver um equivalente da doença de Alzheimer e problemas de memoria ao envelhecer, enquanto que outros estavam normais e não mostravam alguma predisposição genética a doença.

“Nós ficamos surpresos em constatar que uma exposição ao celular que começa cedo na idade adulta protege a memoria dos ratos que haviam desenvolvido os sintomas de Alzheimer”. Explica Gary Arendash, professor de neurologia da Universidade da Florida, principal autor da pesquisa publicada no Alzheimer’s Disease.

“O mais alarmante é que as ondas eletromagnéticas emitidas pelos telefones móveis têm restabelecido o funcionamento normal da memória de ratos velhos com doença de Alzheimer “, diz ele.

Ondas Eletromagnéticas Protetoras?

Este estudo demonstrou que as ondas eletromagnéticas geradas pelos celulares fizeram desaparecer os depósitos de peptídio beta-amilóide, uma proteína encontrada nos cérebros dos ratos.

Estas acumulações de amilóides no cérebro são consideradas pelos pesquisadores um fator desencadeador da neuro-degeneração e da demência na doença de Alzheimer, impedindo as transmissões normais dos impulsos nervosos entre os neurônios.

“Nós selecionamos os parâmetros eletromagnéticos idênticos aos dos celulares que usamos e testamos a memória dos ratos de acordo com critérios que podem ser comparados aos nossos, nós acreditamos que os resultados desta pesquisa são altamente relevantes para os seres humanos”, disse Gary Arendash.

Com isso vemos que o vilão virou o mocinho da vez, mas CUIDADO, tudo em excesso é MUITO.

Fonte : 20 Minutes